Política pública para a agricultura familiar: avaliação do Programa Paranaense “Fábrica do Agricultor”

Sob a autoria de Decio Estevão do Nascimento, Caio Zerbato, Christian Luiz da Silva e Marta Chaves Vasconcelos foi publicado, em 2018, o artigo Política pública para a agricultura familiar: avaliação do Programa Paranaense “Fábrica do Agricultor”. Confira o resumo e o link para acessar o artigo completo.

Resumo: No Estado do Paraná, em 1999 foi criado o programa Agroindústria Familiar “Fábrica do Agricultor”-PFA, com o objetivo de agregar valor aos produtos oriundos da agricultura familiar através da verticalização da produção pela agroindustrialização de pequeno porte. Assim, o objetivo geral deste estudo consistiu em avaliar o programa Agroindústria Familiar “Fábrica do Agricultor”. A pesquisa foi desenvolvida de forma descritiva quanto à abordagem dos seus objetivos, com a utilização das técnicas de pesquisa bibliográfica, pesquisa documental e levantamento, com a utilização de entrevistas estruturadas. A política apresentou resultados diferenciados entre os objetivos propostos, sendo extremamente bem sucedida nos objetivos de inovação tecnológica, foco no mercado e apoio à agricultura familiar. Ficou evidenciado a relevância da agricultura familiar no estado paranaense e a significativa contribuição das políticas públicas para o fortalecimento da agricultura familiar.

Link para acessar o artigo completo: https://online.unisc.br/seer/index.php/redes/article/view/180-212

Anúncios

Capital ecológica? Curitiba coleta e transporta seu lixo como nos anos 80

coleta de lixo
Fonte: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

 

Na outrora capital ecológica, coleta e transporte de resíduos seguem a mesma modelagem há décadas. Licitação para modernizar sistema será lançada neste ano, diz prefeitura, enquanto concorrência para coleta permanece suspensa.

 

Continuar lendo

Conflitos no licenciamento ambiental de PCHs: os casos de Dois Saltos e Água Limpa

Flávia de Faria Gomes e Christian Luiz da Silva publicaram o artigo “Conflitos no licenciamento ambiental de PCHs: os casos de Dois Saltos e Água Limpa” na Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente. Confira o resumo e o link para acessar o artigo completo.

Resumo: A Política Nacional do Meio Ambiente (Lei 6.938/1981) foi um marco que incluiu o componente ambiental na gestão de políticas públicas, além de um avanço democrático na vida política. O seu principal instrumento, o licenciamento ambiental, é o responsável pelo estabelecimento de empreendimentos potencialmente impactantes, como as hidrelétricas, mas seu processo tem incitado o surgimento de inúmeros conflitos e embates sociais. Portanto, a pesquisa objetiva compreender a dinâmica da controvérsia em torno do licenciamento ambiental, especialmente das pequenas centrais hidroelétricas (PCHs) do Paraná. Caracteriza-se como qualitativa e explicativa; de delineamento metodológico bibliográfico; e aplicada, quanto à sua natureza e ao seu resultado. É baseada em livros, artigos científicos, estudos ambientais preliminares do Instituto Ambiental do Paraná, informações da Agência Nacional de Energia Elétrica e em reportagens de mídias locais. Parte de dois estudos de caso conflituosos. Os dados demonstram que o Paraná tem visado às PCHs e que estas permeiam diferentes atores e embates. Verifica-se que o problema não está na capacidade do instrumento, mas na incapacidade de gestão deste, ou seja, dos seus gestores, que têm condicionado este cenário. E a identificação da questão institucional (arranjo, regras e atores – junto da percepção destes sobre o processo) é o que propicia um melhor entendimento deste cenário e das possibilidades de melhoria do instrumento.

Artigo Flávia

Link para acessar o artigo completo: http://revistas.ufpr.br/made/article/view/53840/34468

Participe do maior evento sobre Estudos de Ciência, Tecnologia e Sociedade do país

Submetam seus resumos de 2400 caracteres para o ESOCITE 2017 até dia 23 de julho.

Faça parte do grupo GT4, organizado pelo PD2T, e venha discutir conosco sobre Políticas públicas e desenvolvimento local: interveniências e interações entre tecnologia, sociedade e democracia.

Para maiores informações sobre o evento, envio de resumo, outros temas e cronograma acesse: http://www.esocite2017.com.br/site/

 

Seminário “Esverdeamento dos Empregos pela via do Desenvolvimento”

eng-logo English

Na sexta-feira, dia 26 de maio de 2017, o PPGTE/UTFPR recebeu a convite do prof. Dr. Christian Luiz da Silva, do PD2T, o interessante Seminário com o tema “Esverdeamento dos Empregos pela via do Desenvolvimento” ministrada pelo Prof. Dr. Paulo Afonso Bracarense Costa.

A palestra versou sobre livro de mesmo título, baseado em seu mestrado em políticas públicas desenvolvido nas Universidades de Humboldt em Berlim e Viadrina de Frankfurt (Oder), em que o autor apresenta uma proposta para aplicação dos conceitos de emprego decente e emprego verde, bem como o indicador de densidade de empregos verdes, permitindo uma construção mais precisa sobre os empregos e seu impacto ambiental. Seguiu-se à palestra um interessante debate sobre possibilidades de aplicação do indicador.

Avaliação das Políticas Públicas de Resíduos Sólidos Urbanos em Três Metrópoles Brasileiras

Acesse aqui o artigo pelo Prof. Christian Luiz da Silva e a mestranda (PPGTE) Izabel Biernaski:

Avaliação das Políticas Públicas de Resíduos Sólidos Urbanos em Três Metrópoles Brasileiras

Seminário sobre Empregos Verdes – 26 de Maio de 2017

eng-logo English

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) convidou a todos para contribuir com a construção de uma definição precisa de empregos verdes e para desenvolver uma metodologia que pudesse avaliar quanto do exercício da força de trabalho de diferentes ofícios colaboram para construir um mundo sustentável em uma economia verde.

esverdeamento dos empregos pela via do desenvolvimento 2.jpg

O Prof. Dr. Paulo Afonso Bracarense Costa –  é Titular do Depto de Estatística da UFPR, Mestre em Agronomia pela ESALQ-USP, Mestre em Políticas Públicas pela Universidade de Berlim e Universidade Viadrina-Frankfürt, Doutor pela UFSC e pela Universidade do Sul da Flórida EUA. Foi diretor do Centro de Gestão e Estudos Estratégico do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (CGEE) e Secretário do Trabalho em Curitiba, quando levou o município a aderir aos compromissos de gerar trabalho decente e empregos verdes, proposto pela OIT.